(11) 4374-5765

 PHALAENOPSIS EXÓTICA

A orquídea PHALAENOPSIS é uma das variedades de orquideas mais comercializadas, e com uma  excelente durabilidade.

 

Saiba sobre orquídeas

 

Com mais de mil gêneros e 30 mil espécies, as orquídeas estão entre as queridinhas das plantas para se cultivar em casa ou para presentear alguém. Os motivos são inúmeros: são bonitas, coloridas, perfumadas, cabem em qualquer lugar e, com poucos cuidados, podem durar anos e anos. Veja algumas dicas e como cultivá-las e aprenda um pouco mais sobre a flor.

Orquidário em qualquer espaço
Basta um cantinho iluminado e muito carinho para você ter orquídeas lindas em casa.  Encontre o local:

No quintal
Orquídeas vão bem tanto em ambiente interno quanto em externo. Quem mora em casa pode deixar os vasos no quintal, sobre uma tábua apoiada em tijolos (no chão, eles atraem lesmas!).

Dentro de casa
Se você mora em apartamento, aproveite o parapeito de uma janela: vale o da sala, do quarto, da cozinha e até mesmo da área de serviço!

As 5 maiores dúvidas sobre as orquídeas

1. Por que não devo pôr prato embaixo?
Tudo bem que você goste de água, mas como se sentiria se tivesse de usar sapatos molhados? Pois isso é ruim até para as plantas!

2. Posso plantar orquídea na terra?
É bom evitar, já que poucas orquídeas são terrestres. Na dúvida, plante em substrato, uma mistura de carvão, casca de coco e tronco de árvore, vendida em floriculturas.

3. Preciso só dar água e mais nada?
Teoricamente, sim, mas, se você borrifar sua orquídea uma vez por mês com adubo NPK 20-20-20, ela pegará menos doenças e dará flores maiores e mais bonitas.

4. Toda orquídea deve ser amarrada em árvore?
Não. Esse suporte funciona melhor com espécies chamadas "epífitas", que naturalmente vivem sobre os galhos, como phalaenópsis e chuva-de-ouro.

5. Dá flor o ano todo?
Não, nenhuma orquídea fica 12 meses com flor. Mesmo assim, você terá a casa florida o ano todo se escolher ao menos uma espécie de cada estação.


5 segredos da rega perfeita

· Dispense o prato que fica embaixo do vaso. Orquídeas não gostam de ter água parada nas raízes.

· Com o dedo indicador, toque o substrato (a "terrinha") e sinta se ele está seco. Se estiver bem úmido, nada de água.

· Vai regar? Leve o vaso para uma pia ou um tanque e deixe a água encharcar a planta até escorrer pelos furinhos. Molhe inclusive na parte debaixo das folhas. Deixe escorrendo por alguns minutos até voltar o vaso para o lugar em que ele estava.

· Se a planta estiver florida, tome cuidado para não derrubar água na flor. Não é que ela não goste de rega, não! O problema é que flores molhadas atraem pulgões, fungos e bactérias.

· Orquídeas como as chuva-de-ouro ou as catleyas, que têm caule gordinho, precisam de menos água do que as outras. Essa região é chamada de pseudobulbo e serve como uma reserva de comida.

 

Fáceis de manter, bromélias são lindas e não atraem dengue

 

Exuberantes, resistentes, de fácil cultivo e com a vantagem de não atraírem os mosquitos da dengue, as bromélias são flores com a cara do verão e servem como ornamento para jardins e varandas ou mesmo para espaços internos da casa ou ambientes públicos, tamanho seu poder de adaptação e resistência. Com mais de 3,2 mil espécies, sendo cerca de 43% nativas do Brasil e distribuídas em territórios como Floresta Amazônica, Mata Atlântica, caatinga, campos de altitude e restingas, a família Bromeliacea caracteriza-se pelo agrupamento de folhas em forma de roseta.

O que torna a bromélia tão resistente e de fácil adaptação a ambientes desfavoráveis é o seu sistema de absorção de água e nutrientes, que ocorre através das folhas recobertas por escamas e, em algumas espécies, nas rosetas (formação definida pelo arranjo das folhas) que armazenam água. "Esse sistema é de suma importância para sua sobrevivência e a de diversos outros microrganismos que ali procriam", diz a bióloga Nara Vasconcellos, curadora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Todavia, apesar de as bromélias serem tolerantes à falta d"água, a irrigação é fundamental para o desenvolvimento dessas plantas.


BROMÉLIAS E DENGUE

Há uma diferença entre poça d'água e a água reservada pela bromélia. Segundo a arquiteta paisagista Eliane Fortino, a água da poça fica parada e rapidamente é colonizada por organismos como as larvas dos mosquitos, entre eles, o Aedes aegypti, transmissor da dengue.

Já as bromélias que possuem reservatórios começam a guardar água antes de seu primeiro ano de vida. Essa água é protegida pelo ambiente das folhas e se transforma rapidamente em um pequeno e rico ecossistema. A água é continuamente absorvida pela planta, suprindo-a com nutrientes. A pouca evaporação ocorre através da superfície da folha.

"Na água armazenada na roseta das bromélias ocorre uma sucessão intensa de formas de vida. O resultado é uma calda repleta de organismos que competem entre si, numa interdependência ecológica, dificultando a sobrevivência de tais larvas", diz a paisagista.

Segundo informa a bióloga Nara Vasconcellos, dentro da planta, o mosquito da dengue não tende a se reproduzir. A pesquisadora também não recomenda que borrifos com a solução de água e água sanitária - eficaz no controle da evolução das larvas - sejam feitos sobre a planta. 

De acordo com uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC), da Fiocruz, em 2007 "apenas 0,07% e 0,18% de um total de 2.816 formas imaturas de mosquitos coletadas nas bromélias [do Jardim Botânico do Rio de Janeiro] durante o período de um ano correspondiam ao Aedes aegypti e Aedes albopictus, sugerindo que as bromélias não constituem um problema epidemiológico como foco de propagação ou persistência desses vetores". 

A referida pesquisa realizada para o mestrado em Biologia pelo pesquisador Márcio Goulart Mocellin em cinco bairros do Rio de Janeiro, com diferentes características socioeconômicas, mostrou presença maior do Aedsnas áreas residencias que no Jardim Botânico. Em uma segunda etapa do estudo, o pesquisador tirou os principais criadouros, como pratinhos, caixas d' água e galões, deixando apenas a bromélia e o número de larvas nas plantas não aumentou. 


COMO CUIDAR

- Não troque a água das bromélias cultivada em vasos  

- Apenas acrescente água quando necessário, diretamente no tanque ou roseta da bromélia e em pequena quantidade, nunca na base da planta. No verão, as regas devem acontecer de três a quatro vezes por semana e no inverno de uma a duas vezes  

- Pulverize as plantas com água, quando a temperatura for superior a 30°C ou quando a umidade do ar estiver muito baixa  

- Apenas folhas secas devem ser retiradas, pois as bromélias não demandam podas  

- A adubação pode ser foliar com NPK 10-10-10. Pulverize o produto somente nas folhas e siga as instruções do rótulo  

- De modo geral, bromélias são muito resistentes a pragas, mas caso apareçam é sinal de que ela não está se adaptando ao meio. Observe a insolação e mude o vaso de lugar se necessário